Os 10 mandamentos da gestão financeira para empreendedores e pequenos negócios

E hoje venho falar com quem empreende, com quem tem negócio ou mesmo quem pensa em ter. Trago dicas de gestão financeira para empreendedores e para quem tem um pequeno negócio e quer melhorar essa gestão. Para quem está começando a mergulhar nisso e abrindo uma empresa, essas dicas são essenciais. Vou listar aqui os dez mandamentos:

  1. Não misture as contas de pessoa física e jurídica. Não somente a conta bancária, mas também as despesas e receitas do negócio e da sua vida pessoal. Isso pode acontecer numa fase de transição, mas corra para adequar e procure preservar um controle que te permita entender bem as suas despesas e as do negócio;
  2. Tenha um bom contador. Ele não vai apenas tirar nota ou rodar a sua folha de pagamento. O ideal é que ele te forneça alguns números inerentes aos assuntos contábeis: o melhor enquadramento para planejamento tributário, alíquota e outros detalhes. Um bom contador não vai deixar você com pendências e nem surpresas futuras. Dependendo do tamanho do seu negócio, avalie a possibilidade de um “contador on-line”, sempre de olho na sua real necessidade e do que te atende melhor;
  3. Use um sistema financeiro. Já passou o tempo em que isso era algo robusto, que comprometia a memória e velocidade do computador e que custava caro. Esse sistema vai te permitir ter domínio do que você tem a pagar e a receber. É essencial ter um fluxo de caixa e o sistema, quando bem alimentado, te dará isso, e assim você pode fazer análises e ter propriedade, as rédeas nas mãos da sua empresa, isso te dá base para tomar decisões;
  4. Não abra uma empresa sem o capital de giro. Segundo estatística do Sebrae, aproximadamente 40% das empresas que encerram as atividades nos dois primeiros anos de vida é pela falta do capital de giro. O ideal, a depender do tipo do seu negócio, é que você tenha de três a seis meses do valor para manter a sua empresa. Entenda bem o fluxo financeiro do seu negócio para definir isso da melhor forma;
  5. Fique de olho no seu fluxo de caixa. Isso mesmo, não basta ter um sistema financeiro, alimentar e ter um fluxo de caixa, é fundamental estar de olho nele. Isso te permitirá entender a realidade, a saúde financeira do seu negócio, as receitas, as despesas e possíveis ajustes que podem ser necessários no fluxo;
  6. Tenha um orçamento das despesas e receitas mensais, se antecipe. Isto é, tudo o que você acredita que vai receber e gastar. Lembre-se de fazer o fechamento de cada mês, comparando o previsto e o realizado;
  7. Cuidado com as despesas fixas, são essas que engessam o seu orçamento;
  8. Mantenha o cuidado permanente com a saúde financeira do seu negócio. Crie alguns indicadores com informações importantes, acompanhe de perto, confira se as taxas do cartão de crédito estão sendo cumpridas, despesas financeiras, de tempo em tempo procure identificar novos fornecedores, entre outras atitudes que tiram você da zona de conforto;
  9. Não ignore as pequenas despesas. Como diz uma frase que eu gosto bastante: “pequenos buracos afundam grandes navios”, e muitas empresas também, faliram de forma lenta, gradativa, e até hoje muitos donos nem sabem por quê;
  10. Evite financiamentos e empréstimos. Só tome essa decisão se for realmente necessário para alavancar o seu negócio num plano de crescimento, de forma bem analisada e coerente. Tomar crédito está longe de ser crime, muito pelo contrário, mas precisa ser feito de forma inteligente. Fique atento às taxas, a outros custos que podem estar no “pacote”, e tenha cuidado para que isso não te leve para uma situação desafiadora.

Conhecimento é a base, não tem para onde fugir, mas para isso é necessário dedicar tempo, estar aberto ao novo, opiniões diferentes, leitura, estudo e procurar agir, praticar o que vê na teoria, nos livros e nas conversas. Assim é no mundo dos negócios, mesmo que seja um pequeno negócio, mas é necessário planejamento, antecipação, entender de A a Z o seu negócio. Mesmo que no começo não seja assim, corra para construir isso, conhecimento, com pés no chão, mas não de forma que não ter permita ousar e voar, a pista está sempre aberta, pra cima!